quarta-feira, 8 de março de 2017

Dia Internacional da Mulher - 2017

Cinquenta e seis postagens depois, este blog retorna a um assunto sobre o qual comecei a enviar mensagens há doze anos (muito antes da criação do blog). Assunto sobre o qual será necessário persistir até que chegue o tempo a partir do qual as relações entre homens e mulheres passem a ocorrer em conformidade com a igualdade de direitos, e de deveres, que precisa haver entre eles e elas. Igualdade que a maioria dos homens insiste em não enxergar como algo sem o qual o que está em jogo é o próprio futuro da humanidade, como é possível deduzir a partir de uma afirmação que já usei em alguns textos alusivos ao Dia Internacional Da Mulher. "O futuro da humanidade não será decidido pelas relações entre nações, mas pelas relações entre homens e mulheres.", disse David Herbert Lawrence (1885 – 1930).
E ao falar em futuro da humanidade e em relações entre homens e mulheres, enxergo uma excelente oportunidade para convidar – homens e mulheres – a assistirem o documentário "O Começo da Vida", lançado em 5 de maio de 2016. "Em uma volta pelos quatro cantos do mundo, o documentário faz uma análise aprofundada e um retrato apaixonado dos primeiros mil dias de um recém-nascido e convida-nos a refletir sobre o modo com estamos lidando com aquele período considerado crucial para o desenvolvimento saudável das crianças", ou seja, o desenvolvimento saudável daqueles seres a quem será entregue o futuro da humanidade. O parágrafo abaixo foi extraído do documentário.
"As pessoas perguntam - quando é que você vai voltar a trabalhar? É como se você estivesse sem fazer nada esse tempo todo. Mas você cuidar dos filhos, você dedicar um tempo considerável da sua vida para cuidar dos filhos é considerado nada. Cuidar dos seus filhos significa que você está cuidando de pessoas que vão ser futuros cidadãos. Se o sujeito vai votar, se o sujeito vai botar fogo no índio ou não vai botar fogo no índio. Você está simplesmente trazendo gente, está formando a humanidade, cara, e isso é nada, é absolutamente nada para a sociedade!", exclama uma das mães mostradas no documentário.
"Você está formando a humanidade e isso é nada, é absolutamente nada para a sociedade.", exclama a mãe entrevistada. Será que, se aquela mulher tivesse o direito de revisar a escala de valores atribuídos às funções existentes na sociedade, "dedicar um tempo considerável da vida para cuidar dos filhos, de seres que serão futuros cidadãos e desse modo contribuir para formar a humanidade" ocuparia uma alta posição em tal escala, e não aquela desprezível em que foi colocada por uma avaliação masculina?
Será que se a valiosa função de "dedicar um tempo considerável da vida para cuidar de seres que serão futuros cidadãos e desse modo contribuir na formação da humanidade" recebesse o devido valor seria significativa a quantidade de mulheres que a ela se dedicariam em detrimento da vontade de ocuparem-se com muitas das valorizadas funções no teatro corporativo? Funções que, não raras vezes, em vez de contribuir na formação da humanidade o que fazem é contribuir para a deformação de muitos dos que as ocupam. Será que, devidamente valorizada, até mesmo homens se disporiam a trocar algumas das valorizadas funções nesta sociedade pela valiosa função citada pela mãe entrevistada? Pelo que é mostrado no documentário, parece-me que sim.
Há no documentário o caso de um físico pesquisador que, depois de trabalhar doze anos em uma empresa, ao dizer aos seus ex-colegas que parou de trabalhar para cuidar de seus filhos, deles ouve o seguinte questionamento: por que foi que você fez isso? Será que uma revisão da supracitada escala de valores diminuiria o estranhamento causado pela atitude do "estranho" pai e favoreceria a aceitação pelos homens da imprescindível igualdade de deveres entre homens e mulheres? O que vocês acham? O próximo parágrafo é mais um extraído do documentário.
"Esse mundo investe em satélites, enfim, em diversas áreas para conhecer novos planetas e ir para Marte, pra Lua, pra Urano. A gente não vai investir na condição humana, na humanidade que está nascendo. Como é que a gente pode pensar num mundo de paz, de colaboração, de bem-aventurança onde o começo da vida não é levado em conta.", diz Vera Cordeiro, médica e fundadora da Fundação Saúde da Criança.
"Como é que a gente pode pensar num mundo de paz, de colaboração, de bem-aventurança". Ou seja, como é que a gente pode almejar um futuro melhor para a humanidade, "sem levar em conta o começo da vida"? Como é que a gente pode levar em conta o começo da vida sem estar consciente de que, se a geração da vida requer a participação do homem e da mulher, cuidar do começo da vida é uma função que não deve ser deixada a cargo apenas da mulher? Será que não deixar tal função a cargo apenas da mulher requer a imprescindível aceitação da igualdade de direitos, e de deveres, entre homens e mulheres? Será que crianças criadas vivenciando tais igualdades tornar-se-ão seres que as enxergarão como algo natural? O que vocês acham?
Que a igualdade de direitos, e de deveres, entre homens e mulheres não se restringe a tarefa de cuidar do começo da vida, parece-me algo óbvio. Até porque optar por querer ou não ter filhos também é um direito da mulher. Porém, indo além de tal obviedade, será que faz sentido incluir passagens de um documentário intitulado O Começo da Vida em uma postagem alusiva a uma data cujo principal objetivo é, de certa forma, fazer apologia da imprescindibilidade de estabelecer outro começo: o começo de um novo modo de viver? Um modo de viver em que as relações entre homens e mulheres ocorram em condições de igualdade de direitos, e de deveres. O que vocês acham?
Além das passagens citadas nesta postagem, existem várias outras capazes de não só possibilitar-nos refletir sobre o modo como estamos lidando com aquele período crucial para o desenvolvimento saudável das crianças, como também sobre a imprescindível igualdade de direitos, e de deveres, entre homens e mulheres. Ou seja, para possibilitar-nos refletir sobre o que motivou a criação do Dia Internacional da Mulher. Para quem quiser assistir o documentário segue o endereço onde eu o assisti: https://www.youtube.com/watch?v=kQT-7AaphQk.
Reconhecer a igualdade de direitos entre homens e mulheres, e viver em conformidade com tal reconhecimento, é um dever de todos os homens que tenham chegado a este mundo através de um ventre feminino, ou seja, de todos eles. Será que os homens que lerem esta postagem concordarão com o que acaba de ser dito? O que vocês acham?
Mais do que qualquer homenagem que lhes seja rendida pelos homens, no dia criado com a finalidade de reivindicar a igualdade de direitos entre homens e mulheres, o que as mulheres desejam é que durante todos os dias de sua vida elas sejam tratadas por eles em conformidade com a igualdade por elas reivindicada. Será que as mulheres que lerem esta postagem concordarão com o que acaba de ser dito? O que vocês acham?

Nenhum comentário: